publicidade

Os soldados soviéticos eram aterrorizados durante a guerra Soviético-filandesa pela fama de um atirador finlandês Simo Häyhä, pois ele tinha uma mira certeira, e nem sequer usava mira óptica.

Tornando-se assim uma lenda, tanto para seus amigos, quanto para seus inimigos.

Ele nasceu em 1905, seguindo sempre a tradição familiar de que as crianças são ensinadas a caçar desde cedo. Ganhador de diversas competições infantis de tiro, decidiu participar também aos 17 anos, de uma competição adulta, ficando em 1º lugar.
Logo quando começou a guerra Soviético-Finlandesa, ele se tornou um franco-atirador sem pensar duas vezes.

No seu primeiro dia de guerra, ele matou 25 soldados, e após 100 dias de guerra o número de soldados soviéticos mortos por ele passou de 600 pessoas!

O inimigo tinha tanto medo do atirador finlandês, que ele foi apelidado de “Morte Branca”.

Os soviéticos enviaram vários atiradores de elite para capturarem Simo. E em 06 de março de 1940, uma bala atingiu o lado esquerdo do rosto de Simo, dado como morto pelos soviéticos ele foi resgatado um dia depois por soltados finlandeses  e levado para cuidados médicos onde passou alguns dias em coma.


publicidade

Quando acordou, seu rosto estava desfigurado. Parte de sua mandíbula estava completamente ausente. Os médicos até tentaram reconstruir o maxilar utilizando o osso do quadril, mas mesmo assim não tiveram muito sucesso.

Após a sua recuperação, ele quis voltar para a guerra, mas devido a sua lesão, lhe foi negado o pedido.

O ex-atirador faleceu em 1998, com 96 anos, tendo uma vida tranquila.
Um pouco antes de seu falecimento, perguntaram-lhe como conseguiu se tornar um atirador com tanta mira, e ele respondeu, “prática”.
Quando questionado se tinha remorsos por ter matado tantas pessoas, ele disse, “fiz o que me mandaram fazer, da melhor forma possível”. E quando questionado sobre os acontecimentos da Guerra de inverno, ele modestamente disse que ele apenas estava fazendo o que lhe mandavam.
E essa foi a vida da pessoa, que tirou mais de 600 vidas.  Se tornando o mais eficiente franco-atirador da história.